Dreams
segunda-feira, 22 julho 2024
spot_imgspot_img

Com Lula, PT garante protagonismo no 2 de Julho, deixando Geraldo Júnior em segundo plano

A presença de Lula nas celebrações do 2 de Julho destacou o protagonismo do PT, enquanto o vice-governador Geraldo Júnior ficou em segundo plano, apesar de tentar se aproximar do presidente.

Com Lula, PT não abre mão de protagonismo e deixa Geraldo de coadjuvante no 2 de Julho

Participação de Lula e o papel de Geraldo Júnior

A esperada participação de Lula no 2 de Julho, apesar de relâmpago, não fugiu do script esperado pela esquerda tradicional. Deixou de fora, porém, as ambições do vice-governador Geraldo Júnior (MDB), pré-candidato a prefeito de Salvador, de ter um protagonismo do qual o PT não renunciou.

O fato de ter ganho uma vaga ao lado de Lula no carro aberto que desfilou da ladeira da Soledade até a região do Barbalho, nesta terça-feira (2), deu ao emedebista o troféu de ser visto, ainda que como um item acessório, pelas lentes da afeição popular por um presidente igualmente populista.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Detalhes do desfile e repercussão

Durou praticamente uma hora o percurso de pouco mais de um quilômetro em que, na carroceria de uma caminhonete, ao lado de Lula, Geraldo e o governador Jerônimo Rodrigues (PT) distribuíram acenos, correspondidos ou não, para quem acompanhava o cortejo e também assistia ao desfile das janelas das casas.

Depois de passar em branco no discurso do presidente no evento da Arena Fonte Nova, na segunda-feira (1º), Geraldo respirou aliviado com a chance tão esperada de “colar a imagem” em Lula.

Estratégia política e impacto

Coordenadora política da campanha de Geraldo, a deputada federal Lídice da Mata (PSB) aposta que o encaixe vai acontecer com naturalidade. “Essas coisas vão acontecer normalmente. Nós não chegamos nem ainda nas convenções partidárias. Estamos numa pré-campanha. O presidente tem que ter cuidado porque, obviamente, ele estava num evento oficial”, disse a este Política Livre enquanto esperava pela saída de Lula.

Infraestrutura e desafios do evento

A entrada presidencial no desfile gerou expectativa e também gargalos na dinâmica da festa. A infraestrutura montada pelas forças de segurança, com a instalação de gradil, estreitou a passagem em frente à Casa Nossa Senhora da Soledade, onde Lula ficou abrigado por quase uma hora recebendo secretários de Estado da Bahia, aliados petistas e pré-candidatos da base do governador Jerônimo de diversas cidades para fotos e vídeo, uma sessão da qual Geraldo Júnior obviamente também participou.

Enquanto as tratativas corriam no conforto do recinto reservado, a multidão se espremia na passagem do largo da Lapinha para seguir o fluxo do cortejo, o que provocou empurrões e até pessoas pisoteadas, com prejuízos mais severos para crianças e idosos.

Continuação do cortejo e posturas políticas

Depois de dada a largada do presidente, o trajeto foi marcado majoritariamente pela devoção que o petista está acostumado a receber em solo baiano. Não houve, contudo, uma defesa enfática ou um apelo para projetar o emedebista. Pelo contrário, os brados e gestos pareciam remontar o ambiente de eleição presidencial e não municipal.

Depois de Lula deixar o percurso, Jerônimo e Geraldo se incorporaram ao cortejo pedestre desde o acesso ao Santo Antônio Além do Carmo até o Terreiro de Jesus. Apesar de iniciarem juntos, logo o governador tomou rumo próprio para alargar a fama de perfil afável e simpático com que tem se notabilizado.

Reações e estratégias divergentes

Geraldo teve que ganhar vida própria e fazer o exercício do “corpo a corpo” para principalmente se aproximar de militantes da esquerda ainda resistentes com a escolha do seu nome para representar o campo do governo na eleição municipal da capital.

Integrantes do governo apresentaram visões diferentes sobre a separação. Há quem defendesse que o governador deveria ter uma postura mais de cabo eleitoral no sentido de validar Geraldo publicamente do que cultivar sua imagem particular. Outros ponderaram que era importante “abrir duas frentes” e até dar certa autonomia para o emedebista construir seu próprio capital.

Comparação com a oposição

Numa estratégia diferente, que desde o princípio tem se mostrado eleitoralmente infalível, o prefeito Bruno Reis (União Brasil) e o ex ACM Neto andaram juntos na maior parte do tempo.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares