Dreams
domingo, 14 julho 2024
spot_imgspot_img

Silas Malafaia intensifica pressão sobre STF em defesa de Bolsonaro

Silas Malafaia usa seu status de líder religioso para intensificar a pressão sobre o STF nas investigações contra Jair Bolsonaro, destacando a força dos evangélicos e a potencial influência nas decisões judiciais.

Malafaia põe STF sob pressão de religião em investigações contra Bolsonaro

Utilização da posição religiosa como influência

“Tocar em um líder religioso não é uma coisa fácil. A religião que eu sou representa 35% do povo brasileiro. Isso é um negócio muito gigante.” Essas foram as palavras do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, durante uma entrevista à youtuber Antonia Fontenelle no fim de fevereiro. Malafaia destaca a estratégia de usar seu status de líder religioso para intimidar o STF nas investigações que envolvem o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

Manifestações financiadas e ameaças de intensificação

Após financiar uma manifestação na Paulista que admitiu ter sido planejada com a finalidade de pressionar o STF, Malafaia organiza outro ato pró-Bolsonaro em Copacabana, no Rio, com ameaças de intensificar o tom. Especialistas consideram preocupante a utilização da religião para influenciar decisões judiciais, testando a democracia brasileira.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Deslegitimação do STF e influência popular

A estratégia de Malafaia anda lado a lado com a deslegitimação do STF, sob o argumento de que “Supremo é o povo”, uma ideia frequentemente expressa pelo pastor. “Se você botar o povo na rua, eles vão pensar umas três vezes [antes de prendê-lo]. E, se isso acontecer, o negócio vai ser feio”, disse Malafaia a Bolsonaro para convencer o político a promover a manifestação na Paulista, como relatado pelo pastor em fevereiro.

Posicionamento constitucional e ameaças

Ataques ao ministro Alexandre de Moraes, a quem Malafaia chama de ditador de toga, e a defesa de que o Judiciário deve observar a vontade do povo também marcam seu discurso. “O povo é o Supremo poder de uma nação. Nada é superior a nível de poder em uma nação do que o povo. Quando um povo se manifesta, se submeta o poder Judiciário, o Legislativo e o Executivo”, afirmou.

Reações e críticas ao discurso de Malafaia

Segundo especialistas, o discurso de Malafaia reflete tendências autoritárias que surgiram no pós-Primeira Guerra e foram utilizadas por regimes totalitários na Europa. Luis Gustavo Teixeira, doutor em ciência política, critica a postura de Malafaia como uma “clara violação da democracia”. Por outro lado, Henderson Fürst, professor de direito constitucional, lembra que a função do Supremo é ser contramajoritária, defendendo que a corte deve se guiar pela Constituição, mesmo contra a vontade popular.

Defesa e justificativas de Malafaia

Em resposta às críticas, Malafaia afirmou que ter consciência de que o povo é o supremo poder não é prejudicial à democracia, mas sim àqueles que querem calar a população. Ele também reafirmou que as ameaças de divulgar vídeos em caso de prisão sua ou de Bolsonaro são medidas de autodefesa, negando que sejam incentivos a atos contra a ordem pública.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares