Dreams
domingo, 14 julho 2024
spot_imgspot_img

Maurício Kertezman avança para liderança no TRE-BA em eleição iminente

A eleição no Tribunal de Justiça da Bahia promete consolidar Maurício Kertezman como figura chave no judiciário, em meio a expectativas de renovação de laços entre o TJ e o governo estadual.

Eleição no TRE-BA: Maurício Kertezman aponta para liderança no judiciário baiano

A eleição para a escolha do próximo membro do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) pelo Tribunal de Justiça da Bahia, marcada para esta quarta-feira (28), deve consagrar o desembargador Maurício Kertezman como a nova liderança do Judiciário baiano. A expectativa é tanto de grande parte de seus colegas quanto de setores do governo estadual, que se ressente de um relacionamento mais próximo com o TJ desde a aposentadoria do desembargador Carlos Alberto Dutra Cintra.

Disputa acirrada pela vaga

Para ascender na escala de poder do Judiciário, no entanto, Kertezman precisa derrotar o colega Manoel Bahia, que deve enfrentá-lo na disputa como candidato independente, caso os dois não cheguem a um acordo antes da eleição. Nem o fato de Kertezman não dever assumir imediatamente a presidência do TRE, caso saia vitorioso amanhã, diminui a expectativa de que ele deva se destacar e virar o principal líder da magistratura a partir da chegada na Corte Eleitoral.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Habilidade e negociações de Kertezman

Extremamente habilidoso e envolvente, o magistrado já teria negociado apoio ao desembargador Abelardo da Matta, que foi indicado ao TRE no ano passado, para presidente do TRE, devendo, neste primeiro momento, assumir a vice-presidência ou a corregedoria do órgão. Quem o conhece, no entanto, garante que o desembargador tende a “voar”, assumindo uma proeminência na Corte independentemente do cargo de direção que venha a ocupar ao lado de Abelardo.

Perfil e projeções para Kertezman

“Maurício é uma águia. Ele já deve saber exatamente o que deseja do TRE e o que o órgão pode lhe dar”, diz um juiz que o conhece e admira, assegurando que a capacidade política, aliada ao conhecimento jurídico e à absoluta discrição, é a maior aliada de Kertezman. Parte da avaliação de que o desembargador tende a ganhar total protagonismo a partir deste ano eleitoral vem de suas relações muito próximas com o poder político, especialmente com o senador Jaques Wagner (PT).

Relações políticas e judiciárias

Os dois têm origem judia, o que é um fator de identidade muito forte. Porém, mais do que isso, foi Wagner que o nomeou desembargador, numa vaga de advogado disponível na época no Tribunal de Justiça, quando era governador do Estado. Recentemente, no ano passado, trabalhou forte em Brasília para que ele conseguisse ser escolhido ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), mas sem sucesso.

Desafios na carreira e superação de mágoas

A existência de outros dois concorrentes fortes da Bahia – os desembargadores Roberto Frank e Jatahy Fonseca – teria contribuído para diminuir ainda mais suas chances de vitória numa disputa extremamente competitiva que mobilizou de forma direta outros políticos importantes e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Inicialmente, o episódio teria deixado mágoas entre eles, as quais, no entanto, já teriam sido superadas por esforço do próprio Kertezman.

Projeções futuras e influência no judiciário

É ao membro da irmandade judaica que Wagner também recorre quando precisa de informações sobre o Judiciário local e nacional e referências para a indicação ou a nomeação de quadros para a área jurídica pelo governo do presidente Lula ou na gestão do governador petista Jerônimo Rodrigues. Por esta razão é que, uma vez empoderado institucionalmente no TRE, do qual deve se tornar presidente daqui a dois anos, Kertezman é visto como a pessoa que pode iniciar a aproximação do governo com o Judiciário.

Aproximação com o Executivo

Hoje, a figura do interlocutor com o Executivo praticamente não existe, muito em decorrência de uma opção da grande maioria dos desembargadores baianos de manter o Judiciário independente em relação ao governo, um quadro que pode começar a mudar a partir da influência de Kertezman sobre a atual presidente do TJ, a desembargadora Cyntia Resende, muito menos experiente que ele e uma das suas principais cabos eleitorais.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares