Dreams
domingo, 14 julho 2024
spot_imgspot_img

Expectativas econômicas com Lula: Menor ascensão para classe C e benefícios concentrados na classe A

Um estudo recente prevê que a redistribuição de renda no Brasil durante o terceiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva não favorecerá a ascensão da classe C como ocorrido anteriormente, concentrando ganhos nas classes mais altas.

Expectativas para a Distribuição de Renda no Brasil sob a Gestão de Lula

O Brasil, sob o terceiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva, não deverá vivenciar uma expressiva mobilidade social da classe D/E para a classe C, como ocorreu em seus primeiros mandatos entre 2003 e 2010. A marca registrada daquele período foi a notável expansão da classe média. Desta vez, contudo, espera-se que as classes mais altas, especialmente a classe A, sejam as maiores beneficiadas.

Contexto econômico atual

De acordo com projeções da consultoria Tendências, a classe A deverá experimentar o maior aumento da massa de renda real, ajustada pela inflação, com um crescimento anual de 3,9% de 2024 a 2028, uma tendência que já começou a ser observada em 2023. Em contrapartida, a classe D/E terá um crescimento bem mais modesto, de 1,5% ao ano, em média.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Análise das condições de juros e Investimentos

A situação é agravada pelo cenário de altas taxas de juros, que, apesar de uma esperada queda na Selic, atualmente a 10,75% ao ano, deverá permanecer relativamente elevada. Isso se deve, em parte, à necessidade de manter taxas de juros atraentes para investidores estrangeiros, especialmente diante de um contexto de juros altos nos Estados Unidos, o que pressiona emergentes como o Brasil a oferecer retornos mais altos.

Impacto nas classes sociais

Os especialistas da Tendências apontam que os ganhos de capital, especialmente de empresários e pessoas com investimentos significativos, serão cruciais nesse cenário. Enquanto isso, as classes D/E enfrentarão limitações devido ao espaço fiscal restrito, que impedirá ajustes generosos no Bolsa Família ou no salário mínimo.

Perspectivas futuras

Lucas Assis, analista de macroeconomia da Tendências, ressalta que a falta de espaço no Orçamento para aumentos no Bolsa Família e no salário mínimo resultará em um crescimento econômico mais lento, o que afetará diretamente as classes mais dependentes da renda do trabalho, como as classes B e C.

Por outro lado, Maurício de Almeida Prado, diretor-executivo da consultoria Plano CDE, destaca que o aumento da cobertura do Bolsa Família no início do governo Lula 3 beneficiou significativamente as classes mais baixas. No entanto, ele adverte que, sem novos passos significativos, o sentimento de estagnação entre os jovens poderá se intensificar.

Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados, sugere que para melhorar a distribuição de renda é essencial uma estabilidade econômica que permita ao setor privado expandir-se. Ele destaca que, apesar das restrições fiscais do setor público, o agronegócio e outras áreas produtivas têm potencial para impulsionar a economia e beneficiar até mesmo as camadas mais pobres da população.

Este artigo foi estruturado para proporcionar uma leitura fluida e informativa, mantendo todas as citações e falas originais, conforme as diretrizes fornecidas.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares