Dreams
sexta-feira, 21 junho 2024
spot_imgspot_img

Fiocruz enfrenta limites de produção e demanda por nova fábrica para vacina da dengue

Diante de desafios de capacidade, a Fiocruz declara necessidade urgente de uma nova fábrica para atender à crescente demanda por vacina da dengue no SUS.

Fiocruz no Limite: Necessidade de nova fábrica para Vacina da Dengue

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) enfrenta um desafio significativo em sua capacidade de produzir vacinas, especialmente a Qdenga, necessária para combater a dengue no Brasil. A instituição afirmou que sua infraestrutura atual está maximizada e que cortes em outros imunizantes são inevitáveis para manter a produção da vacina da dengue.

Parceria com Takeda e demanda crescente

Em resposta ao aumento da demanda, a Fiocruz busca expandir suas operações através de uma parceria com a Takeda, a farmacêutica que desenvolve a Qdenga. Essa colaboração é vista como crucial para aumentar a disponibilidade das doses no Brasil, um país que enfrenta uma das maiores epidemias de dengue de sua história.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Desafios de capacidade e plano de expansão

A produção atual da Fiocruz ocorre na mesma plataforma usada para outros imunizantes, como a vacina da febre amarela e a tríplice viral. Este arranjo exige um balanceamento cuidadoso na distribuição das vacinas produzidas, o que tem provocado uma necessidade urgente de expansão. A fundação está planejando a construção do “Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde”, que promete quadruplicar a capacidade de produção de vacinas, mas enfrenta desafios de financiamento para a obra, estimada em mais de R$ 9,5 bilhões.

Financiamento e construção do novo complexo

Para financiar a nova fábrica, a Fiocruz está buscando aproximadamente R$ 6 bilhões de fontes como o BNDES, Banco Mundial, BID, e bancos privados, além de considerar a utilização de receitas de exportação de vacinas. O Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) deve contribuir com cerca de R$ 2,1 bilhões até 2027. A expectativa é que a construção do complexo dure 48 meses a partir do início das obras, que ainda não têm uma data definida.

Impacto na saúde pública e resposta do Ministério da Saúde

A situação atual coloca em risco não apenas a gestão da dengue mas também a disponibilidade de outras vacinas importantes. O Ministério da Saúde reconhece o problema de capacidade produtiva global e está trabalhando com instituições como o Instituto Butantan e a própria Fiocruz para maximizar a produção nacional no curto prazo. A Takeda também se comprometeu a buscar parcerias locais para acelerar a entrega das vacinas.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares