Dreams
segunda-feira, 15 julho 2024
spot_imgspot_img

Tragédia em Brasília: Mulher morre de dengue após alta médica em UPA

Cíntia Maria Dourado Mendes, 42, perde a vida no Distrito Federal devido a complicações da dengue, levantando questões sobre o tratamento recebido e a atenção médica prestada.

Morte por Dengue em Brasília: Questões sobre Cuidados e Protocolos Médicos

No coração do Distrito Federal, a comunidade de Brazlândia foi abalada pela notícia da morte de Cíntia Maria Dourado Mendes, 42 anos, vítima de complicações decorrentes da dengue. Este caso trouxe à tona preocupações significativas sobre o tratamento e a orientação médica fornecida às vítimas dessa doença cada vez mais prevalente.

Procura por Atendimento Médico

Cíntia, uma dedicada dona de casa, mãe e avó, buscou atendimento médico na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Brazlândia após manifestar sintomas preocupantes da doença. De acordo com relatos de sua família, apesar da gravidade de seu estado, ela foi orientada a retornar para casa, uma decisão que agora é questionada à luz dos trágicos eventos subsequentes.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Diagnóstico e Orientações Médicas

O diagnóstico inicial sugeriu que Cíntia poderia estar sofrendo de trombose, uma complicação da dengue. Seu marido, Fabiano Vieira Mendes, questionou a ausência de exames complementares, uma preocupação que ressoa entre aqueles que buscam entender o protocolo médico seguido.

Investigações e Respostas Oficiais

Enquanto a causa oficial da morte de Cíntia ainda está pendente, com o laudo do Instituto Médico Legal (IML) esperado em 30 dias, a Polícia Civil do Distrito Federal iniciou uma investigação sobre o caso como homicídio culposo. A família busca justiça e clareza, registrando um boletim de ocorrência e aguardando os resultados das investigações.

O Tratamento Recebido

O governo do Distrito Federal, através do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde (IgesDF), defende que o tratamento fornecido a Cíntia foi adequado, baseado na avaliação médica, testes realizados e protocolos para dengue. No entanto, a família contesta, apontando a rápida deterioração de seu estado de saúde e a falta de investigação aprofundada dos sintomas apresentados.

A Voz da Família

A dor da família de Cíntia se mistura à frustração e à busca por respostas. “Ela estava muito inchada e com falta de ar”, lembra Fabiano, destacando a orientação para buscar a UPA após uma visita à tenda de acolhimento a pacientes com dengue, onde Cíntia recebeu hidratação inicial.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares