Dreams
quinta-feira, 18 julho 2024
spot_imgspot_img

Apostas Online: Riscos de vício e impactos na saúde mental e financeira

Entenda como as apostas online podem ser tão viciantes quanto drogas e os impactos na saúde mental e financeira dos jogadores.

Apostas Online podem ser tão viciantes quanto Drogas; Entenda

Após perder R$500 em apostas esportivas, André Santana (nome fictício) decidiu apostar mais R$500 para recuperar o valor perdido, resultando em um prejuízo total de R$1.000. Com o aumento das plataformas digitais de apostas, como as “Bets” e o “Tigrinho”, relatos como esse têm se tornado cada vez mais comuns entre os brasileiros. Especialistas em psicologia e direito alertam para os riscos que a prática pode causar tanto à saúde mental quanto ao bem-estar financeiro.

O Vício nas Apostas Online

Com o hábito de apostar diariamente em esportes como basquete e tênis, é principalmente no futebol brasileiro e europeu que André arrisca seu dinheiro. Mesmo após ganhar R$900, a sensação é de que costuma perder mais do que lucrar. “Tem épocas que eu perco mais do que ganho. Se olhar a fundo, acho que perdi mais do que ganhei. Perder os R$1.000 me fez repensar muito sobre apostas. Quando você perde, você quer recuperar e é nesse momento que você se dá mal. Já tive descontroles emocionais nesse momento e foi quando mais perdi”, relata André.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Vício Equiparado ao Uso de Drogas

Quando os jogos de apostas se tornam um vício, eles passam a estimular a mesma área do cérebro que outras drogas, como maconha e cocaína, de acordo com Ueliton Pereira, psicólogo e diretor técnico da Holiste Psiquiatria. “Essa busca pela sensação de ser recompensado faz com que a pessoa fique com a compulsão de continuar jogando. Quando entra nesse nível de dependência do jogo, chamamos de ‘pessoas viciadas’, que necessitam daquilo para viver, trabalhar, para qualquer outra coisa”.

André afirma que não é seu caso, mas já pensou sobre o assunto. “Uma vez coloquei um limite de R$100 de quanto podia depositar na casa de apostas e, no dia seguinte, quis apostar, tentei mudar essa opção e eles não deixaram. Tem que passar uns 15 dias para poder alterar o limite, então fiz um cadastro em outra casa de apostas. Aquilo me preocupou e me fez repensar muita coisa”.

Para o psicólogo, é preciso que as pessoas fiquem atentas ao tipo de relação mantida com esses jogos. “Se está nessa situação, tem que procurar ajuda. O recomendado é buscar a psicoterapia, que pode ajudar a perceber a compulsão e necessidade de definir limites com as apostas; grupos terapêuticos de ajuda mútua e um psiquiatra, porque muitos desenvolvem ansiedade, quadro depressivo devido às perdas financeiras, até ideias suicidas”, indica Ueliton Pereira.

Segurança e Equilíbrio

Os aplicativos de aposta ainda são um desafio jurídico e social, como explica o superintendente do Procon Bahia, Tiago Venâncio. “É um mercado novo em que surgem diversos problemas, principalmente com relação ao vício, então nosso principal desafio é fazer com que o consumidor tenha segurança e equilíbrio. Esses jogos são tratados como entretenimento, brincadeira, mas é algo que pode comprometer a vida financeira de famílias”.

De acordo com Diogo Fernandes, advogado e presidente da comissão de direito digital da OAB-Bahia, “as pessoas têm que ficar atentas, pois o Tigrinho não é um investimento seguro ou controlável. Essas plataformas não são feitas para você ganhar. Ainda é difícil de fiscalizar, porque muitas estão fora do Brasil”.

O professor de direito do consumidor do Instituto Brasiliense de Direito Público da Escola de Direito de Brasília, Ricardo Morishita, reforça a importância da regulamentação dos jogos de azar. “No mundo inteiro, inclusive no Brasil, há uma regulamentação de apostas por dois motivos. O primeiro é proteger a poupança popular. O segundo é para proteger a saúde e segurança dos consumidores. A técnica digital cria novos riscos que precisam ser regulados”.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares