Dreams
segunda-feira, 15 julho 2024
spot_imgspot_img

Cresce número de casos de racismo religioso após instituição do Dia das Matrizes Africanas

Um ano após o estabelecimento do Dia Nacional das Matrizes Africanas, o Brasil enfrenta aumento nos casos de racismo religioso contra tradições afro-brasileiras.

Racismo Religioso em Ascensão Após Criação do Dia das Matrizes Africanas

Em 21 de março de 2023, o Brasil celebrou pela primeira vez o Dia Nacional das Tradições de Raízes de Matrizes Africanas e Nações do Candomblé, uma data dedicada à valorização da ancestralidade e diversidade religiosa afro-brasileira. Apesar da importância desta celebração para a identidade nacional, relatórios indicam um aumento preocupante nos casos de racismo religioso no país.

A situação atual

De acordo com dados recentes, o Brasil registrou um expressivo crescimento nos processos judiciais relacionados ao racismo e intolerância religiosa. A startup JusRacial revelou que em 2023 houve um salto para 176.055 processos judiciais, marcando um aumento de 17.000% em comparação com dados de 2009. Dentre esses, um terço são casos de intolerância religiosa, evidenciando um desafio persistente na sociedade brasileira.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Incidentes alarmantes

Relatos de agressões e vandalismo contra praticantes e locais de culto afro-brasileiros tornaram-se infelizmente comuns, com vários casos ganhando notoriedade:

  • Uma mulher sofreu intolerância religiosa dentro de um metrô.
  • Um homem foi preso após vandalizar um terreiro de candomblé em Salvador.
  • Terreiros em Dias d’Ávila também foram alvos de arrombamento e furto.

Impacto jurídico e social

O Supremo Tribunal Federal (STF) e tribunais estaduais registram números alarmantes de processos relacionados ao racismo religioso, o que demonstra a gravidade do problema em todas as esferas da sociedade. A Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras (RENAFRO) aponta um aumento de 45% nos crimes religiosos em 2022, com terreiros sendo frequentes alvos de ataques.

Vozes contra o racismo

Claudia Alexandre, renomada jornalista e sacerdotisa umbandista, destaca o racismo religioso como um problema estrutural ligado à história de escravização e marginalização do povo negro. Ela enfatiza a necessidade de educação e conscientização para combater essa forma de preconceito, que muitas vezes se manifesta de maneira silenciosa mas devastadora.

Um chamado à reflexão e ação

A instituição do Dia Nacional das Matrizes Africanas representa um passo importante no reconhecimento e valorização das contribuições afro-brasileiras para a cultura nacional. No entanto, o aumento dos casos de racismo religioso sublinha a urgência de ações mais eficazes no combate à intolerância e na promoção da igualdade.

Claudia Alexandre também ressalta a importância de abordar as questões de gênero dentro dos espaços religiosos afro-brasileiros, evidenciando o papel central das mulheres na formação e resistência dessas tradições.

Este momento de reflexão sobre o Dia Nacional das Matrizes Africanas e os desafios enfrentados pelas comunidades de terreiro no Brasil serve como um lembrete da necessidade contínua de lutar pela liberdade religiosa e pelo fim do racismo em todas as suas formas.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares