Dreams
sábado, 13 julho 2024
spot_imgspot_img

Comissão quer ‘Imposto do Pecado’ sobre cerveja, refrigerante e ultraprocessados na Reforma Tributária

Câmara dos Deputados defende inclusão de alimentos ultraprocessados no ‘imposto do pecado’ da reforma tributária, visando saúde pública e sustentabilidade.

Comissão Quer ‘Imposto do Pecado’ sobre Cerveja, Refrigerante e Ultraprocessados na Reforma Tributária

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados enviou um ofício ao grupo de trabalho (GT) que analisa o projeto de regulamentação da reforma tributária, defendendo a manutenção do modelo de Imposto Seletivo (IS), conhecido como “imposto do pecado”, sobre tabaco, bebidas alcoólicas e açucaradas. A proposta inclui também a taxação de alimentos ultraprocessados.

O modelo do Imposto Seletivo visa criar uma taxa extra para produtos e serviços considerados prejudiciais à saúde e ao meio ambiente, como apostas esportivas. O relatório preliminar da reforma, apresentado na semana passada, será votado nesta quarta-feira (10).

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Justificativa do Imposto

“Apesar de seus malefícios somente recentemente terem sido reconhecidos, as bebidas adoçadas são responsáveis indiretas por quase 13 mil mortes anualmente, e por doenças que custam quase R$ 3 bilhões por ano ao Sistema Único de Saúde (SUS)”, afirma o ofício enviado pela comissão.

O documento é assinado por 23 deputados, incluindo Paulo Folletto (PSB-ES), Jandira Feghali (PC do B-RJ), Lindbergh Farias (PT-RJ), Dr. Benjamim (União-MA), Osmar Terra (MDB-RS), Carmen Zanotto (Cidadania-SC) e Eduardo da Fonte (PP-PE).

Tributação Prevista

De acordo com o primeiro projeto da reforma, a partir de 2027, a tributação para esses produtos será garantida pelo Imposto Seletivo. No caso das bebidas alcoólicas, a cobrança será conforme a proporção de álcool por volume de bebida. A inclusão de produtos ultraprocessados na lista do ‘imposto do pecado’ está sendo fortemente pressionada, enquanto as empresas de refrigerantes tentam evitar a taxação.

Emendas ao Projeto

O projeto de regulamentação da reforma recebeu 18 emendas até o início de segunda-feira (8). Essas emendas são propostas de deputados para alterar o texto e precisam ser apreciadas individualmente pelos parlamentares.

As sugestões abordam temas variados, como isenção para plano de saúde animal, protetor solar e duty free, além da retirada ou inclusão de segmentos no “imposto do pecado”.

Por exemplo, o deputado Júlio César Ribeiro (Republicanos-MG) defende a retirada dos fantasy games do Imposto Seletivo, enquanto a deputada Duda Salabert (PDT-MG) apresentou uma emenda pela inclusão de agrotóxicos entre os produtos a serem taxados. O deputado Waldemar Oliveira (Avante-PE) solicita a isenção desse imposto sobre produtos importados comercializados em Duty Free e Free Shop de portos e aeroportos, como bebidas alcoólicas e fumo.

Próximos Passos

Uma vez aprovado na Câmara, o texto da regulamentação ainda precisa ser votado no plenário do Senado. Com o regime de urgência solicitado pelo presidente Lula, se o projeto for aprovado na Câmara, o Senado terá 45 dias para deliberar sobre o texto. Após esse prazo, a proposta tranca a pauta do plenário da Casa.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares