Dreams
domingo, 14 julho 2024
spot_imgspot_img

Tensões no Congresso por adiamento de sessão e temor de atraso em recursos antes das eleições

O adiamento de uma sessão crucial do Congresso Nacional aumenta as tensões entre o governo Lula, a Câmara e o Senado, gerando preocupações sobre atrasos na liberação de recursos em ano eleitoral.

Conflitos e estratégias por trás do adiamento da sessão do Congresso

O adiamento de uma sessão importante do Congresso Nacional, prevista inicialmente para a última quarta-feira, marca um novo capítulo nas tensões entre o governo Lula e o Parlamento. Este adiamento é visto como uma manobra estratégica do governo para evitar derrotas, mas gera preocupações significativas sobre atrasos na liberação de recursos, especialmente em um contexto de ano eleitoral.

Desentendimentos entre Câmara e Senado

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), expressou frustração com o adiamento, anunciado pelo presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que aconteceu após acusações de não cumprimento de acordos relacionados a vetos orçamentários. Esse impasse destacou a falta de harmonia não apenas entre o governo e a Câmara, mas também entre os dois ramos do legislativo.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

A questão das emendas parlamentares

Um ponto central do conflito gira em torno da distribuição de R$ 5,6 bilhões reservados no Orçamento deste ano para emendas de comissão. Segundo aliados de Lira, houve um acordo para uma recomposição de R$ 3,6 bilhões desses recursos, com distribuição proporcional entre senadores e deputados. No entanto, alegações de que os senadores buscavam uma parte maior complicaram as negociações.

Projetos e vetos em jogo

O adiamento também está ligado à não apreciação, pelo Senado, do projeto que recria o DPVAT, incluindo um dispositivo que liberaria mais de R$ 15 bilhões imediatamente para o presidente Lula. A sessão foi postergada com a justificativa de que era necessário aprovar esse projeto primeiro, para então proceder à análise dos vetos presidenciais.

Críticas e expectativas para a próxima sessão

Na esteira desses eventos, Lira criticou abertamente o Senado pela demora na apreciação dos vetos e pela pressão crescente dos prefeitos para a liberação dos recursos. A expectativa agora é que a sessão do Congresso seja realizada na segunda semana de maio, com promessas de que não haverá mais adiamentos.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares