Dreams
quinta-feira, 18 julho 2024
spot_imgspot_img

Colégios Militares adotaram Livro que exalta golpe de 64 no governo Lula

No contexto das tensões sobre a memória do Golpe de 1964, Colégios Militares substituem material didático por apostila que glorifica o período ditatorial.

Controvérsia na educação: A narrativa do golpe de 1964 nos Colégios Militares

Em um movimento que gerou controvérsia, Colégios Militares no Brasil, já durante a administração do presidente Lula, substituíram o livro didático de história por uma apostila produzida pela própria instituição. Este material didático adota uma perspectiva que exalta o Golpe de 1964, denominando-o de “Revolução”, e omite referências às torturas perpetradas durante o regime militar, ao mesmo tempo em que caracteriza os envolvidos no golpe como “moderados”.

A mudança didática

A alteração do material didático foi planejada no final do governo Bolsonaro e implementada em 2023, refletindo a visão de alguns setores militares sobre o período ditatorial. Esta mudança ocorre em um contexto onde o presidente Lula orientou para que não houvesse eventos governamentais em memória aos 60 anos do golpe, buscando não desagradar as Forças Armadas.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Apostila em foco

O material adotado para o 3º ano do Ensino Médio nos Colégios Militares destoa significativamente dos livros didáticos anteriores e subsequentes, apresentando uma narrativa que glorifica a intervenção militar. Na apostila, o regime é descrito de forma positiva, sem menção ao termo “tortura” e atribuindo ao golpe características de uma decisão tomada por “lideranças democráticas”.

Repercussões e críticas

A escolha deste material gerou críticas por parte de historiadores e educadores, que apontam para uma discordância significativa com a historiografia estabelecida. A falta de referências bibliográficas na apostila também é destacada como uma falha importante, comprometendo a qualidade educacional oferecida aos estudantes.

Posição do exército

Apesar das controvérsias, o Exército defende a apostila, argumentando que ela segue o Projeto Pedagógico do Sistema de Colégio Militares, que está alinhado com as legislações vigentes de ensino no país. A Força ressalta que o material didático cumpre as orientações previstas para o período de 2021 a 2025.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares