Dreams
segunda-feira, 22 julho 2024
spot_imgspot_img

PF associa US$ 172 mil encontrados em casa de suspeito a verba sigilosa da Abin Paralela

Investigação da Polícia Federal revela possível desvio de verba sigilosa da Abin, levantando questões sobre a origem de dinheiro encontrado na residência de ex-funcionário. Saiba mais sobre os desdobramentos desse caso.

Investigação da Polícia Federal na “Abin Paralela”

A Polícia Federal está conduzindo uma investigação sobre o caso da “Abin Paralela”, que suspeita de um suposto desvio de verba sigilosa da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). O inquérito associa a descoberta de US$ 172 mil em espécie na casa do então secretário de planejamento de gestão da Abin, Paulo Maurício Fortunato, a um possível direcionamento indevido de fundos para o gabinete do ex-diretor-geral da agência, Alexandre Ramagem, atualmente deputado federal pelo PL do Rio de Janeiro.

Origem do dinheiro e possíveis delitos

O relatório da PF, que está sob sigilo, sugere que o dinheiro encontrado pode estar relacionado a desvios de verba sigilosa destinada a operações de inteligência. As investigações apontam para a dificuldade em identificar a origem dos dólares e levantam a possibilidade de outros crimes além do uso do software espião FirstMile, como a bisbilhotagem ilegal de adversários políticos.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Depoimentos e evidências

O ex-servidor da Abin, Rodrigo Colli, mencionado como um dos pivôs do caso FirstMile, afirmou em depoimento que houve um direcionamento de verba sigilosa para o gabinete de Ramagem. Ele também relatou que os valores eram sacados em espécie e utilizados em viagens internacionais do presidente Jair Bolsonaro.

Posicionamento dos envolvidos

Tanto Ramagem quanto Fortunato não responderam diretamente às acusações. Enquanto Ramagem negou qualquer envolvimento com softwares de espionagem da Abin, Fortunato optou por exercer o direito ao silêncio durante as investigações.

Desdobramentos e decisões Judiciais

O relatório da PF serviu de base para uma segunda operação de busca e apreensão, desta vez nos endereços de Ramagem. Embora não tenha sido afastado de seu cargo de deputado federal, o ex-chefe da Abin é alvo de investigações em andamento, sob a supervisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Entenda as investigações da “Abin Paralela”

A PF está apurando a existência de uma estrutura clandestina na Abin, suspeita de monitorar ilegalmente adversários políticos do ex-presidente Jair Bolsonaro. O software FirstMile, utilizado pela agência entre 2019 e 2021, é um dos pontos centrais das investigações, permitindo acesso a dados de geolocalização sem autorização legal.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares