Dreams
quinta-feira, 18 julho 2024
spot_imgspot_img

Alexandre de Moraes determina libertação de coronéis da PMDF acusados de omissão em 8 de janeiro

Em uma decisão marcante, o ministro Alexandre de Moraes autoriza a soltura de três coronéis da Polícia Militar do Distrito Federal, envolvidos nos atos de 8 de janeiro, sob condições específicas, incluindo o uso de tornozeleira eletrônica.

Decisão do STF libera coronéis da PMDF sob condições rigorosas

Libertação com medidas restritivas

O magistrado Alexandre de Moraes, integrante do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liberdade nesta quinta-feira (28) a três destacados coronéis da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), acusados por falta de ação diante dos incidentes golpistas de 8 de janeiro do último ano. Durante tal evento, locais representativos dos Três Poderes foram alvo de invasão e vandalismo. Os oficiais, detidos em Brasília, agora estão liberados.

Entre os beneficiados pela decisão estão os coronéis Fábio Augusto Vieira, anterior comandante-geral da PM, e Klepter Rosa, ex-subcomandante. Marcelo Casimiro também recebeu a mesma medida. Conforme determinado, eles devem portar tornozeleiras eletrônicas e têm proibição de acessar redes sociais ou comunicar-se uns com os outros.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Além disso, as restrições impostas por Moraes incluem confinamento noturno, proibição de saída do Distrito Federal, entrega de passaportes e apresentações semanais em juízo.

Razões para a libertação

Ao determinar a soltura dos coronéis, o ministro Moraes apontou que, por estarem agora na reserva remunerada, eles não constituem mais ameaças ao processo penal em curso. Mencionou também a “reestruturação total do comando da Polícia Militar no Distrito Federal”. A prisão dos oficiais havia ocorrido em agosto de 2023, durante a Operação Incúria.

Acusações de omissão

Durante os eventos que marcaram os atos golpistas, esses coronéis faziam parte do alto escalão da PMDF e foram acusados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) de omissão perante delitos graves, incluindo tentativa de golpe de Estado e atentado contra o Estado Democrático de Direito. Segundo a acusação, houve uma preparação desde o ano anterior para um movimento popular a favor de Jair Bolsonaro, permitindo que os crimes ocorressem em 8 de janeiro de forma deliberada.

A Procuradoria-Geral destacou a “profunda contaminação ideológica” entre os oficiais denunciados, adeptos de teorias conspiratórias sobre fraudes eleitorais e golpistas.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares