Dreams
quinta-feira, 18 julho 2024
spot_imgspot_img

Feminicídio na Bahia cresce e especialistas apontam padrão entre vítimas e agressores

Especialistas revelam perfil alarmante das vítimas de feminicídio na Bahia, enquanto casos aumentam em 58%. Ruana Karina Santos, mãe de dois filhos, é um exemplo recente, assassinada a golpes de faca pelo companheiro na frente das crianças.

O feminicídio na Bahia tem crescido de forma alarmante, revelam especialistas, que apontam um padrão preocupante entre vítimas e agressores. Um exemplo recente é o caso de Ruana Karina Santos, mãe de dois filhos, natural de Marabá, Pará, e residente em Salvador há sete anos ao lado do marido. No último dia 26, ela foi brutalmente assassinada a golpes de faca pelo companheiro na frente das crianças, na residência do casal, no bairro de Sete de Abril.

De acordo com dados da Rede de Observatórios da Segurança, o número de feminicídios no estado aumentou em 58% entre 2022 e 2023. Em 2022, foram registrados 200 casos, enquanto em 2023, o número saltou para 316 mulheres assassinadas por razões de gênero.

“Ao analisar o perfil dessas vítimas, observamos que muitas são mulheres que dependem financeiramente dos maridos e não contam com uma rede de apoio. Mesmo sofrendo violência dentro de casa, muitas optam por permanecer na relação, seja por questões financeiras, emocionais ou até mesmo pelo cuidado com os filhos”, comenta Sara Araújo, pesquisadora e advogada especializada em Direito das Mulheres e Desigualdade de Gênero.

Ruana exemplifica essa realidade. Ela não trabalhava formalmente, realizava “bicos” e dependia financeiramente do marido, que, segundo pessoas próximas ao casal, não permitia que ela tivesse acesso ao mercado de trabalho.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

“Na maioria dos casos, as mulheres são assassinadas a golpes de faca, o que torna o crime ainda mais doloroso, pois as vítimas não morrem imediatamente, mas agonizam. Os agressores, geralmente ex-companheiros ou parceiros atuais, as veem como propriedade e sentem-se no direito de tirar-lhes a vida”, pontua Antônia Cardoso, socióloga e mestre em Direitos Humanos das Mulheres e Políticas Públicas.

Recentemente, a Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia (SSP-BA) divulgou números preocupantes. Nos dois primeiros meses deste ano, foram registrados 10 feminicídios, representando uma redução mínima de apenas 3% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando foram registrados 13 casos.

“Temos a redução nos dois primeiros meses, mas os crimes continuam acontecendo e causam um impacto muito grande. O feminicídio tem repercussão na família e amigos, o que intensifica o impacto do crime”, destaca Heloísa Brito, delegada geral da Polícia Civil.

Os casos de feminicídio frequentemente acontecem no ambiente doméstico, onde as vítimas deveriam se sentir seguras. Alguns crimes ocorrem na frente de familiares, aumentando ainda mais o trauma.

Vítimas recentes de feminicídio na Bahia incluem:

  • Márcia Santos, morta a golpes de faca em janeiro na cidade de Porto Seguro.
  • Antônia Monik, morta a golpes de faca em janeiro em Vera Cruz.
  • Eunice Maria Barbosa, morta a golpes de faca pelo marido em fevereiro deste ano em São Paulo.
  • Andrea dos Santos, morta a golpes de faca em janeiro na cidade de São Francisco do Conde.

A Bahia conta com 15 Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (Deam), responsáveis por desenvolver ações para proteger vítimas de possíveis agressões em todo o estado.

Salvador
Brotas: Rua Padre Luis Filgueiras, Nº 180, CEP: 40240-495
Periperi: Rua Dr. Walter Almeida, S/N, CEP: 40720-070

Camaçari
Rua Clayton Leão, S/N, CEP: 40800-400.

Candeias
Rua Duque de Caxias, 12.

Jequié
Rua 15 de Novembro, Nº 497, CEP: 45203-570.

Feira de Santana
Rua Adenil Falcão, Nº 1252, CEP: 44088-642.

Ilhéus
Av. Soares Lopes, Nº 1741, CEP:45653-005.

Juazeiro
Rua Canadá, Nº 38, CEP: 48900-000.

Barreiras
Rua Júlio César, Nº 500, CEP: 47800-000.

Itabuna
Rua Rio Almada, Nº 196, CEP:46605-375.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares