Dreams
segunda-feira, 22 julho 2024
spot_imgspot_img

TSE estabelece novas diretrizes contra Deepfake nas Eleições Municipais

O Tribunal Superior Eleitoral adota medidas rigorosas para combater o uso de deepfake e outras práticas de inteligência artificial nas campanhas eleitorais.

Regulamentação do TSE visa combater deepfake em propaganda eleitoral

Em resposta aos desafios impostos pela tecnologia de inteligência artificial nas campanhas políticas, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou alterações significativas na Resolução nº 23.610/2019, visando adequar as regras de propaganda eleitoral ao cenário tecnológico atual. Com a chegada da Inteligência Artificial (IA) no cenário político, as resoluções recém-aprovadas têm como foco a transparência e a integridade do processo eleitoral.

Medidas contra a manipulação digital

Dentre as alterações, destaca-se a proibição do uso de deepfake, técnica que permite criar imagens e sons extremamente realistas de pessoas através da IA. Além disso, a legislação agora exige a sinalização clara do uso de IA nas propagandas eleitorais e restringe o uso de robôs e assistentes virtuais que simulam ser pessoas reais no diálogo com eleitores.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Responsabilização de plataformas digitais

As grandes tecnologias, ou big techs, também estão sob o escopo das novas diretrizes, com a exigência de remoção imediata de conteúdos que veiculem desinformação, discursos de ódio, ideologias extremistas, entre outros materiais prejudiciais ao debate democrático.

Impacto e recepção das novas regras

Especialistas na área de tecnologia e direito eleitoral elogiaram a decisão da Corte, ressaltando a importância de regulamentar o uso de tecnologias que podem distorcer a realidade e influenciar indevidamente o eleitorado. A iniciativa do TSE de abrir o debate para a sociedade, por meio de audiências públicas, também foi destacada como um ponto positivo no processo de elaboração das novas regras.

Exemplos de deepfake e a distinção entre fins comerciais e eleitorais

Um exemplo notório do uso de deepfake foi a propaganda da Volkswagen, que reuniu virtualmente Elis Regina e Maria Rita, despertando discussões sobre ética e consentimento. Enquanto o uso comercial da técnica encontra espaço sob certas condições, sua aplicação no âmbito eleitoral encontra restrições claras impostas pelo TSE, reforçando o compromisso com a preservação da autenticidade e confiabilidade das informações durante o período eleitoral.

Desafios e perspectivas para as eleições de 2024

As novas regulamentações do TSE refletem uma preocupação crescente com a influência da tecnologia nas eleições, buscando equilibrar os avanços tecnológicos com a necessidade de manter um processo eleitoral justo e transparente. A medida visa não apenas proteger o eleitorado de manipulações indesejadas, mas também estimular um debate político saudável e fundamentado na realidade.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares