Dreams
domingo, 14 julho 2024
spot_imgspot_img

Influenciadores Digitais deixam as Redes Sociais em busca de estabilidade no Mundo Corporativo

Diante de baixa remuneração e mercado saturado, influenciadores digitais experimentam transições de carreira, buscando estabilidade em campos tradicionais.

Influenciadores encaram mercado saturado e buscam novos Caminhos

O sonho de ser criador de conteúdo

A carreira de criador de conteúdo online tem atraído muitos jovens, mas o encanto inicial enfrenta a realidade de um mercado desafiador. Uma pesquisa da Edelman Data & Intelligence mostra que a maioria dos jovens sonha em se tornar influenciadores, um cenário bem diferente de profissões tradicionalmente cobiçadas.

Por que alguns influenciadores estão deixando as redes?

Influenciadores Digitais,mercado saturado
Marttinha Fonseca | Foto: Divulgação

Influenciadores com trajetórias consolidadas começam a deixar o setor, motivados por questões como baixa remuneração, ausência de regulação e falta de profissionalismo nas contratações. A jornalista baiana Marttinha Fonseca, ativa no meio desde 2011 e com um histórico de parcerias com grandes marcas, é um exemplo de quem está buscando oportunidades no mundo corporativo após anos dedicando-se exclusivamente à criação de conteúdo.

“Quando comecei meu processo de transição, eu não tinha feito um currículo na vida. Um privilégio. Justamente porque comecei o blog quando eu estava na faculdade”, conta Marttinha. A jornalista testemunhou a mudança no mercado na última década: “Ninguém sabia o que era ser blogueira”. Segundo ela, era preciso explicar às marcas o impacto do trabalho dos influenciadores.

Mudanças no mercado de influência

Gabriel Bonfim, do Grupo Bando, e Cristiane Serra, do Sebrae, destacam a evolução do “marketing de influência” e seus benefícios para as marcas, como aumento da visibilidade e engajamento. A pandemia de Covid-19 acelerou esse processo, mas também trouxe uma concorrência mais acirrada e um aumento no número de influenciadores.

Fique ligado! Participe do nosso canal do WhatsApp! Quero Participar

Desafios e frustrações

A saturação do mercado e a prática de trabalhar por permuta ou sem seguir diretrizes claras causam frustração tanto nos criadores quanto nas marcas. Marttinha Fonseca aponta para a falta de regulação como uma barreira, enquanto Vanessa Ventura cita a dificuldade de obter retorno financeiro substancial, especialmente fora dos grandes centros e para criadores de conteúdo negros.

“Não é um mercado regulado, não tem sindicato, não tem tabela, não tem orientação”, destaca.

Influenciadores Digitais,mercado saturado
Vanessa Ventura, publicitária – Foto: Raphael Muller

Pressão por maior representatividade

A representatividade preta, LGBTQIAPN+, e nordestina ainda é uma demanda a ser atendida pelo mercado, segundo Gabriel Bonfim. Vanessa Ventura também relata a existência de uma “cota” para criadores de conteúdo não brancos, limitando o crescimento de suas carreiras.

“Nunca fiz publicidade com grandes valores, todos os meus trabalhos foram com marcas pequenas, regionais”, diz Vanessa.

Para a gerente de marketing, trabalhar fora do eixo Rio-São Paulo e ser uma influenciadora negra atravancaram o crescimento do perfil.

“Existia uma ‘cota’ para criadoras não brancas subirem na carreira”.

Buscando a profissionalização

A transição para o mundo corporativo ou a diversificação das fontes de renda surgem como alternativas para influenciadores em busca de estabilidade. A venda de infoprodutos, oferta de palestras, e mentorias são algumas das estratégias adotadas. Gabriel Bonfim e Cristiane Serra enfatizam a importância da visão empreendedora e da profissionalização para o sucesso nesse cenário competitivo.

Influenciadores Digitais,mercado saturado
Gabriel Bonfim, proprietário da agência Bando | Foto: Uendel Galter

Um mercado em evolução

A jornada dos influenciadores digitais está longe de ser linear, enfrentando desafios que vão desde a saturação do mercado até a necessidade de maior profissionalismo e regulamentação. Enquanto alguns buscam novas oportunidades fora das redes, outros se adaptam e procuram novas formas de monetização, refletindo a dinâmica e a constante evolução do mercado de influência digital.

Marttinha também percebeu essa saturação deste mercado:

“Tem muita gente fazendo conteúdo e não tem publicidade para todo mundo”.

Por ora, ela pretende continuar na produção nas redes sociais, mas já começou o processo de transição para a carreira corporativa.

“Estou confiante, porque as empresas querem estar nas redes sociais, mas a galera que está lá nunca sentou e fez, nunca construiu comunidade [online]. Eu tenho essa experiência”.

COMPARTILHE ESTE POST:

Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo
Gabriel Figueiredo, jornalista baiano, nascido em Feira de Santana, com mais de 15 anos de experiência, é referência em notícias locais e inovação do Minha Bahia.
MAIS NOTÍCIAS

Mais populares